Eu, Pensamentos, Será?

Conflito de personalidade

Ao encontro de mim mesma, me perco em muitas possibilidades.

Entre tantas coisas que já vivi e aprendi. Alegrias e tristezas, sonhos e frustrações não sei em qual personalidade me agarrar, pois cada uma tem fundamento em uma experiência. Sei que a possibilidade está em mim, de ser qualquer uma que queira ser. E todas elas me parecem genuínas, verdadeiras e parecidas comigo.

Mas a escolha de ser uma me frustra tanto, quanto não decidir e ser nenhuma.
Cada uma, das que me habitam, gritam por exclusividade e tenho que abrir mão de ser todas outras que ainda não vivi.
E todas elas mesmo quando desprezadas reclamam seu lugar em minha vida.

E mesmo sendo só uma, como conviver com apenas uma escolha?

Queremos ser exclusivos, mas a exclusão dói, qualquer sonho desprezado, ainda é sonho, e qualquer caminho, com certeza seria felicidade.

Sem solução discuto em pensamento….

Várias em uma só.
Várias…
Anúncios
Eu, Ideias, Relações

Dê tchau ao que não te serve mais

 

Tempos atrás eu estava doída por dentro, por não ter sido correspondida em um interesse com um caso antigo. Eu estava com medo de abrir mão do sonho que construí no passado, de ser diferente, de buscar novas coisas.

Por bom senso, percebi que realmente não daria certo prosseguir naquela idéia. A pessoa disse com todas as letras: “Não te quero mais” e eu, como ser esperto que sou, aceitei sua escolha e deixei. (Dar murro em ponta de faca não é coisa pra mim).

Já que estava livre, leve e solta, sem nada pra me prender, fui conhecer gente nova e pude me interessar por novas pessoas. E uma destas pessoas que conheci hoje é meu namorado.  Se eu não tivesse aberto mão de viver aquela história, se eu não quisesse e acreditasse que abrir mão do passado era o melhor pra mim, hoje possivelmente eu ainda estaria solteira, mendigando um amor de alguém que já não me quer a tempo.

Mas o que me levou a escrever nem foi isso. O que mais me surpreende é ver o tanto de pessoas, mulheres principalmente, que não tem coragem de jogar fora, de acabar com uma relação que já não lhes servem mais.

Conversando com muitas meninas eu escuto histórias que é de duvidar. Tem menina que acha que o namorado é gay, que faz sexo 2 vezes por ano e que ainda assim quer casar. Uma outra já disse ter nojo do namorado, que olhava pra ele e não tinha vontade de beijá-lo. Uma terceira chora quase todo dia por causa das grosserias do namorado e ainda assim não tem coragem de por um fim nesta relação!

Oque estes homens tem? Porque as mulheres não terminam? Oque elas esperam de um relacionamento? São perguntas que eu insisto em fazer e ficar sem resposta!

Uma alega que ama o namorado demais, a outra que tem dó do namorado porque ele ama demais ela, outra diz que o namorado foi seu primeiro homem e por isso é dificil terminar depois de muito tempo de namoro. Tem gente que continua por causa da família, outros por causa dos amigos em comum, mas a maioria continua porque simplesmente acostumaram em estar com pessoa. Acostumam com a presença dele(a) ao lado, com o costume de ir à casa dele no domingo, de ter um programa x, etc. E não sabem como agir se for fora daquele padrão repetitivo de comportamento.

Simplesmente parece que as pessoas esquecem que antes de conhecer seus amores elas eram sozinhas, e livres e eram felizes do mesmo jeito. Ninguém precisa de ninguém. Pois nós nascemos sozinhos. E os que nascem grudados rapidinho tentam se desgrudar. Nós precisamos de carinho, atenção e companhia, de amor, de alegria. Mas não é uma pessoa só no mundo que pode nos dar isso! Qualquer pessoa pode. Basta querermos.

Antes de qualquer coisa, nós mesmos precisamos nos fazer felizes, saber o que nos agrada, saber oque é importante pra nós mesmos. Em vez, de aceitar tudo que vem de fora.

Respeito é a base de qualquer relação. E se eu mesmo não me respeito, se eu não respeito minha individualidade, como esperar que o outro me respeite?

Muitas pessoas tem dó de seus namorados/maridos/ficantes, julgando que eles vão sofrer se terminassem com eles. Gente!!! Sofrer vai mesmo. Mas ninguém morre de amor não. E se morrer também é escolha da pessoa, e ai você não pode fazer mais nada! Ter dó de alguém é não achar que ela é boa o suficiente pra caminhar com as próprias pernas. É achar que ela é incompetente pra gerir a própria vida.

Se julgar tão importante a ponto de considerar que a pessoa não pode ficar sem você soa pra mim como um orgulho tremendo!! Não é compaixão como muitos podem pensar, é orgulho mesmo.

O orgulho de si próprio faz com que você e a pessoa vivam uma mentira, um apego ao que já não é saudável, ao que já não deixa feliz. Ai vemos na rua casais brigões que reclamam o tempo inteiro, que discutem por besteira e que são grossas e indelicadas uma com as outras. E só porque uma parte, ou as duas não tem coragem de por fim em algo que já não serve!

Coragem minha gente, vamos ser felizes, livres, e amar, dê tchau ao que não te serve mais!!!